all about me...:

site

livejournal

flickr dccplay

flickr dccplay2

blip.fm

tumblr

soundcloud

terça-feira, setembro 30, 2008

Precisar

Quero ocupar a minha cabeça com estudos. Estudar mais! Continuar a estudar. Conseguir estudar mais! Estar mais tempo a estudar. E depois trabalhar. E estudar. Ocupar-me! Também preciso de tempo livre! Mas não muito. Só o suficiente, só o bastante. Um bocado de tempo livre! Ser direccionado. Poder escolher o que posso, mas não de entre muitas coisas.
(P. Reeditado)

domingo, setembro 28, 2008

Placement

"Possible destinations may include, but are not limited to, Texas, Florida, California, Russia, Kazakhstan, the International Space Station and the moon."



Mais: Aqui





("The open positions require extensive travel on Earth and in space.")


"Astronauts are responsible for technical duties and training at NASA when they are not training for a specific flight or conducting a mission. The duties can include scientific research, mission control communication with on-orbit crews, robotic training, spacewalk training, aircraft operations, technical design and engineering, and wilderness training."
A candidatura era até 1 de Julho e estava incluido "encorajamento" a "mulheres e minorias".

sábado, setembro 27, 2008

Da capacidade de sintetizar

«Os irmãos Coen voltam a assinar uma comédia depois do negro e muito premiado "Este País Não é Para Velhos". "Destruir Depois de Ler" foi o filme de abertura na última edição do Festival de Veneza e conta com um elenco de luxo: John Malkovich, Tilda Swinton, Brad Pitt e os habitués na filmografia Coen Frances McDormand e George Clooney. Malkovich é um ex-agente da CIA que, depois de ser despedido pela agência, resolve escrever e compilar as suas memórias, documentando segredos do Governo. A mulher (Swinton), que o trai com outro homem, decide deixá-lo e resolve tentar roubar o disco que contém o único exemplar do precioso e perigoso trabalho. Mas, por engano, o disco vai parar às mãos de dois pouco escrupulosos empregados de um ginásio (Pitt e McDormand). Os dois planeiam explorar ao máximo a sua descoberta, vendendo a informação e conseguindo com isso pagar uma almejada cirurgia plástica. A CIA envia então um agente (Clooney) para recuperar o disco e resolver o assunto, custe o que custar. É claro que a sucessão de hilariantes acontecimentos não tarda a começar.»
-
«A disk containing the memoirs of a CIA agent ends up in the hands of two unscrupulous gym employees who attempt to sell it.»

quinta-feira, setembro 25, 2008

"The fundamental things apply as time goes by" (lol)

Fala-se, espero eu que bem, sobre a possibilidade de finalmente, qualquer pessoa de qualquer “orientação sexual” possa eventualmente casar-se (ui que bom…) - com outra qualquer pessoa, isto é, que a questão de serem duas pessoas senhor e senhor, rapaz e rapaz, rapaz vai com as outras e rapaz vai com as outras, rapaz e rapaz que vai com as outras todas, rapariga rapaz e rapariga rapaz, ou até, quem sabe, rapaz rapariga e rapariga rapaz, ou senhora e senhora, enfim, toda uma pluralidade que seria, para além de toda a lógica de um sistema não integrador de preconceitos, mas sim das pessoas que nem sempre têm podido, neste e noutros países, ser simplesmente “suas” (para todo o sempre até que o divórcio as separe) e ser isso mesmo que são numa convivência de conivência social, sem sombras impressionantes ou impressionadas (pensando sobretudo na palavra pressão), porque até: "casados" (estando ou não de facto) há muitos. "Muitos poucos", e cada vez menos. Vamos lá, toca a adoptar o casamento. Vamos lá a dar o passinho de união de fato/vestido, que talvez seja um passo qualquer para uma qualquer corrente de casados de fresco que daqui por uns anos até estarão a marchar pela abolição de todo (todo!) e qualquer (qualquer!) casamento, seja entre quem for. O casamento é também um peso-pesado, pela forma em si. Quem gosta vive junto e tem esse benefício e quem precisa ou gosta de se casar que se case (um casamento por mês para cada um!), pelo menos arranja-se padrinhos e madrinhas (e também as boas alcoviteiras certas), e com sorte, um bolo de festejo (na despedida de solteiro/a) que até pode vir com papelinho e frase.
«Esta é uma questão de direitos fundamentais, é uma questão de cidadania, é uma questão que determina a qualidade da nossa democracia. Trata-se de acabar com a humilhação de muitas mulheres e muitos homens que são ainda discriminadas/os na própria lei por causa da sua orientação sexual. Trata-se de afirmar finalmente que gays e lésbicas não são cidadãos e cidadãs de segunda. A Assembleia da República terá finalmente a oportunidade de afirmar o seu empenho nesta luta pela igualdade e pela liberdade – e a oportunidade de contribuir de forma particularmente simples para a felicidade de muitas pessoas. O fim da exclusão de gays e lésbicas no acesso ao casamento consegue-se com uma pequena alteração no texto de uma lei, que não implica custos nem afecta a liberdade de outras pessoas. Porém, será um enorme passo no sentido da igualdade e contra a discriminação.»
Isto já devia ter "acontecido" há centenas de anos. Já se devia estar noutra fase. Ou não?

segunda-feira, setembro 22, 2008

In the land of




Regra #: Os filmes de "zombies" são, regra geral, sátiras, sobretudo políticas e surgem como caprichos.
(P. Reeditado)

quinta-feira, setembro 18, 2008

Dedo no ar para uma pergunta

Não percebo a questão de "activistas religiosos" e quejandos nos EUA contra o "casamento gay" na Califórnia nem noutros sítios. Duvido que haja "gay" que se case "religiosamente", embora - gay que é gay tem que se benzer - isto é quase La Palisse; sobretudo se se quiser andar em vestidos de criacionismos.

"Ê": Contingências e (in)continências, da modernidade

Sentaram-se três, cada qual ao seu telefone e a olhar-se em simultâneo. Número 01, número 02 e número 03, contando-se assim. Olhando-se a si a olhar o outro proverbialmente. Já está, a bolsa já caiu e há um pânico que é novidade. Perguntam-se se são da mesma terra, se têm a mesma pronúncia, se fazem parte na mesma canção. Mas número 01 não se abstém de contradizer a vontade de número 02, visto que número 03 está de acordo sem o saber e sem o dizer, porque número 01 parte o princípio de que 02 não sabe do seu agrupamento. Pensa 03 que é uma praxe, ou um regresso inglório a um desfazer do que 02 supõe fazer bem - que é. Mas fazer é ímpar até que 01 torce um bocadinho o fio, que o telefone é dos de fio (antigo, revestimento de plástico envernizado) e atende quem lhe diz que é tempo de transição. Vai então e liga-se o transístor para ver quem apanha. Reclama-se: transição em saldos! Em saldos! Época baixa! Época alta! Arranje uma e esqueça duas, ou três, ou quatro, ou três ou quatro! Quantos mais melhor. Equipare-se para os novos modelos. Depois muda-se de conversa e o olhar continua simulacro simultâneo. Um número vai a falar com os outros por detrás, mas o outro abre a boca primeiro e depois o outro atrapalha-se e já o primeiro que tinha aberto se encolhe para falar ao mesmo tempo.

(Não esquecendo que sigo a "lógica anterior" e que "
isto" e "isto" vai ser "reciclado" - se eu falasse "político" diria "por contenção de gastos".)

segunda-feira, setembro 15, 2008

O primeiro post do resto da sua existência

A paradização.
Regras para mim com vista à única possível reutilização deste blog:
-blank space-

Como começa a contar agora e como este p. vale por dois, reciclo dois p. de dezembro de 2006.

Reeditado

Last night a dose of raw sugar

E aquela parte do Die Another Day no desconcerto.

quinta-feira, setembro 11, 2008

Error reports

Numa espécie de tempo de "paz" (...), escreve-se um diário. (,...:)
Afinal estou farto de férias.
Até porque, além do problema com o bluetooth, o last.fm também falha, e o tlm está afriqualhado/encalhado/auto-mal-redefinido - quando teclo para a lista de contactos e quero, por exemplo, uma das letras em que é preciso premir a mesma tecla repetidamente mais do que duas vezes para ir lá parar, não passa da letra equivalente à segunda pressão. Chateia um bocado porque depois tenho de carregar no equivalente à "setinha para baixo" até chegar às tais iniciais. AIAI.

Um making of

Apesar desta me parecer uma boa notícia ,
estou a fazer recortes para guardar, de jornais acumulados.

Pointing

Some years ago i intended visiting the whole city, but i took a picture that seems a net.

Yesterday

"Today i lost a tooth" - "Olivia Tremor Control"

Eu digo - Today i lost Bluetooth.


É triste porque tinha uma foto interessante a colocar, de uma carrinha, não de rally mas lá perto, Kaminomoto ("O Tratamento Capilar Integral").
Espero recuperar "Bluetooth" não sei como, não sei se é d"o apagão" (bode-expiatório possível para alguma coisa) mas que não houve aqui nesta zona, não sei se deva arranjar cabo USB para o telemóvel.


segunda-feira, setembro 08, 2008

Pois

Apetece-me escrever qualquer coisa mas não sei o quê.

Manifesto abandeirado vestido de uniforme escolar facultativo e apresentado

Cá se fez cá se paga!
Rendo-me (quase sempre) às evidências: os pormenores (e como são mais que muitos depois não sobra). Ainda não estou propriamente talhado para as horas seguidas a queimar pestanas, por muito interesse que haja. Ainda não quero sair de férias.

sexta-feira, setembro 05, 2008

Figuras de estilo

Estou a estudar anatomo-fisiologia e há figuras de estudo quase "diskobólicas" (vem do grego Diskobolos - poderá pronunciar-se com acento?). Conto um departamento de onze sistemas interactivos (entre si; exemplos: sistema tegumentar, esquelético, muscular, etc) para um organismo humano em termos de objecto de estudo.

terça-feira, setembro 02, 2008

Tinged

"A new sub-genre seems to appear in dance music annually and in recent years we've heard minimal, bailie funk and new rave. This year feels transitional, nothing particularly epoch-making is happening and the best dance record, Blind by Hercules and Love Affair, sounds like it was recorded in 1989. So when Hamburg's Digitalism were asked to tell a story with their mix - hence the title Tabloid - they probably found there's not much to shout about at the moment. Still, they've assemble a bunch of good tunes and it's less lairy than you might expect from a duo associated with rock-tinged rave." (John Burgess, The Guardian, June 2008)

segunda-feira, setembro 01, 2008

Post esquinado

Verção gráfica
Por favor (ou não), ainda é Verão (ou não), sejamos silly.

Versão absedário
Por favor ou não ainda é Verão ou não sesamo chilli.

Arquivo do blogue