all about me...:

site

livejournal

flickr dccplay

flickr dccplay2

blip.fm

tumblr

soundcloud

quarta-feira, março 28, 2007

Uma novidade em dvd é "Cinco Covas no Egipto", Billy Wilder, 1943.
As letras do título, na capa, têm formato tal que nos primeiros momentos li Cinco Conas no Egipto.
Pus-me a pensar que podia existir esse e ser também passado durante a II Guerra Mundial e com a mesma Anne Baxter a interpretar, mas sobre uma enfermeira de formação, vitrinista de loja de chapéus nos tempos livres e recentemente treinada para espia, que, sob o pretexto de férias da sua vida de fadiga, monotonia e desastres amorosos (tinha tido notícia da morte da sua mais recente paixão numa frente de combate russa, por exemplo), e da busca da história de familiares ancestrais - e isto era mesmo verdade ( esta coisa da busca faz-me lembrar o Exílios, filme que, tirando umas imagens giras, é mauzinho, com uma sequência de transe inexplicável e quase indescrítivel que dura uns longos 15 minutos), ia para o Norte de África e posteriormente e mais específicamente Egipto, com a missão de recolher informações no campo inimigo e acabava por descobrir, na posse de um militar de alta patente aí posicionado, cinco esculturas milenares, misteriosas e libidinosas, que a levariam num rumo de erotismo homossexual, surreal e perigoso.
A certa parte do filme, Anne Baxter descobria que as esculturas tinham sido pertences da sua linhagem familiar, que tinham valor e estima incalculáveis e que o general nazi as tinha pilhado. Com a ajuda de um militar aliado e depois de ser desmascarada, foge com as esculturas, mas os planos correm mal e a única solução é atravessar o deserto. É então, na solidão das dunas, que as ditas cinco revelam um segredo.

terça-feira, março 27, 2007














Não sou habitualmente ou propriamente de gostar muito muito do campo.
Quando me aborreço do que é urbano, do que é o costume e do que são os meus costumes em Lisboa, gosto de pensar que gosto dele e que era bom estar lá por uns dias. Há imagens que ajudam e que trazem mais do que o verde. Por exemplo, esta traz os Blur. É uma fotografia daquelas de promoção que, com preços ao lado, até podia passar por catálogo de roupa. O Damon Albarn é daquelas pessoas que escusava, a partir de agora, de envelhecer mais e que tinha ar de quem não ia envelhecer (físicamente). E depois, na biblioteca nacional digital, há páginas para ler. Daquelas emendadas, apontadas. Manuscritos e dactilografias dos autores.
Quando penso em "urbano" penso, entre outras coisas mais específicas e antigas desta cidade, numa sala de aulas excessivamente iluminada por luzes brancas fluorescentes, ao anoitecer, daquelas salas que mereciam um luxímetro para as confirmar como potencialmente letais para os olhos; numa viagem de metro cheia de gente com sacos de compras ou malas de trabalho, a arranjar lugar de onde possa entreolhar-se em desconfiança ou cansaço; num restaurante banal de avenida à hora de almoço, superlotado; numa esplanada cosmopolita com jovens adultos a trocar opiniões sobre o que calha; numa sala de cinema a abrir as portas; em trabalhadores das obras a olhar para o céu, a gargarejar o resto da garrafa de água e cuspir para o lado; em turistas desnorteados à procura de um hotel que está mesmo ao virar da esquina, arrastam bagagem; numa corrente de pessoas de copos e cigarros nas mãos, a falar alto na rua, a altas horas da noite, e aqui e ali, uma senhora a abrir a janela de rés-do-chão e a reclamar "vão passear para outro lado, isto já não são horas!".

quinta-feira, março 22, 2007

Bica, Março 2005
don't let the sun catch ya crying
don't let the sun catch ya crying

quarta-feira, março 21, 2007

O blog passa, a partir de hoje, e à experiência, a poder ser comentado.
No feedback - fico triste.
Torel, Março 2007


My baby drove up in a brand new cadillac
Baby, baby drove up in a cadillac
I said, jesus christ! where d you get that cadillac?

quarta-feira, março 07, 2007



















No One From The Heart, filme-canção romântico de pincelada caricata, banda sonora a cargo do Tom Waits, sons lânguidos, vozes que ameaçam suspirar ou gemer a cada nova nota, pianada de cauda com copo de whisky pousado, saxofones a destilar amores e desamores em consagrações ao desabrigo do "encanto versus desencanto", principalmente nocturno, uma das músicas algures no início diz assim: "há quanto tempo escovas o cabelo com um ancinho?"
Só tinha visto este vídeo uma vez, embora esta tenha sido a música que conhecia dele antes de ouvir mais coisas, acho que deve ser das mais conhecidas. É posterior ao filme. Lembrei-me agora que o Tom Waits entrou no The Cotton Club, esse, um filme chato, também do Francis Coppola.
INDIGONOIR & MECANOSPHERE
" Membranes"
Nature - Organe - Circuit
8 - 30 de Março.
Institut Franco Portugais
IndigoNoir & Mecanosphere : uma instalação em forma de circuito onde se cruzam os assemblages visuais de IndigoNoir com as bandas sonoras espectrais de Mécanosphère, a emitir a partir de postos de escuta.
Psicogeografia auditiva e visual de uma possível "natureza da natureza" - insectos, fantasmas migratórios, restos de textos, evocação de orgãos e resistência dos materiais, close-ups de paisagens sub-pastorais, organologia microgótica e land art mental em cut up.

Uma homenagem longínqua a Novalis, Robert Smithson e Alexander Graham Bell.
IndigoNoir: Johan Viviers,Carlos G. Garcia
Mecanosphere: Benjamin Brejon, Adolfo Luxuria Canibal, Jonathan Hhy, Henrique Fernandes

quinta-feira, março 01, 2007

Max Beckmann, Journey on the Fish

É a segunda alusão a wrestling neste blog. Estive a pesquisar por "half nelson" e lá apareceram imagens desta manobra de imobilização. Curiosas bandoletes. Curioso, ou talvez outro adjectivo, é também o facto de se recomendar "half nelson" como parte integrante do procedimento a ter quando se ajudam as vacas a parir. "As in the normal delivery, this is when the umbilical cord is compressed and the cow usually takes a break for a short period of time. This is a point when the calf should be allowed to breathe on its own or oxygen can be administered. It is also a point with the oversized fetus where 90 degree rotation of the calf should occur. This rotation is necessary to bring the widest part of the calf pelvis through the widest diameter of the cow's pelvis. This can usually be accomplished by crossing the front legs (trade chains between people), but occasionally needs a little more force. This can be done in a "half nelson" manner."

Por fim, e onde eu queria chegar, a capa da soundtrack do filme (grande filme!) é gira:


Arquivo do blogue